ATITUDE ROCK'N'ROLL

ATITUDE ROCK'N'ROLL divulga a cultura rock e novas bandas

quinta-feira, 14 de novembro de 2019

BLACK SABBATH, THE DOORS E PINK FLOYD por LUNA LEE


Luna Lee criou releituras de vários clássico do rock, ela usa um instrumento tradicional de cordas da Coréia, o Gayageum.

Devido a configuração do instrumento, Luna tem um grande trabalho manual para executar os riffs dos clássicos.

Nesta postagem coloquei os videos de “Paranoid”, do Black Sabbath, "Riders On The Storm", do The Doors e Money, do Pink Floyd.

As gravações dos clássicos do rock trouxe também uma nova experiencia para ela, pois ela adaptou efeitos de pedais e amplificadores para guitarras em seu Gayageum.

Vale apena visitar o canal da Luna Lee e conferir mais covres interessantíssimos, como “November Rain” do Guns N’ Roses, “Voodoo Doll” de Jimmy Hendrix e “Back In Black” do AC/DC.















quarta-feira, 13 de novembro de 2019

THE WHO divulga nova musica


All This Music Must Fade é a segunda musica divulgada, ela também fará parte do novo álbum de estúdio do The Who, que será lançado em 6 de dezembro de 2019. O álbum terá o nome WHO.

Tracklist do Who:

1. All This Music Must Fade
2. Ball and Chain
3. I Don’t Wanna Get Wise
4. Detour
5. Beads On One String
6. Hero Ground Zero
7. Street Song
8. I'll Be Back
9. Break The News
10. Rockin' In Rage
11. She Rocked My World




segunda-feira, 11 de novembro de 2019

Os mais interessantes covers do PINK FLOYD


Navegando pela internet encontrei vários covers do Pink Floyd e resolvi reunir nesta postagem os mais interessantes e originais, são 6 versões que não se limitaram a tocarem os clássicos copiando exatamente a performance original.

Ficou muito legal as versões do Korn, Foo Fighters e do Doom Side of The Moon, com uma pegada mais pesada e com uma levada de puro RocknRoll.

Já a versão country do disco inteiro do álbum Dark Side of The Moon feita pela banda Poor Mans Whiskey é muito divertido de escutar.


1- Korn - Another Brick in the Wall



2- Foo Fighters - Have A Cigar



3- Of Mice & Men - Money




4- Doom Side of The Moon - Brain Damage




5- Doom Side of The Moon - Pigs





5- Doom Side of The Moon - Wish You Were Here





7- Poor Mans Whiskey - Darkside of The Moonshine (Full Album)





domingo, 10 de novembro de 2019

HEILUNG



HEILUNG significa "cura" na língua alemã e isso também descreve o núcleo do som da banda. Eles estão criando a "historia amplificada" com instrumento de ossos humanos, percussão e a voz da alma.
Fique à vontade e relaxado após uma jornada musical mágica que às vezes é turbulenta.

Banda da Dinamarca é formada por Christopher Juul, Kai Uwe Faust e Maria Franz.

A apresentação da banda é um espetáculo inovador, onde as linhas se confundem entre performance musical, antigos rituais, passado e presente. Pessoas que participam do show saem dizendo que é incrível, alucinante, de arrepiar, me senti mais perto dos deuses é inesquecível.
"Nós todos estávamos de pé lá", Franz recorda com admiração, "e foi tipo, 'Olhe para nós. Meu Deus, somos uma tribo!'"

Eles já foram classificados com folk metal, mais seus espetáculos estão mais associados rituais de cura, musical e espiritual para conjurar a selvageria primitiva da era Viking.

"Para se conectar ao que era antes", diz Christopher Juul, "você precisa se desconectar do que é agora". Essa é essencialmente a declaração de missão de Heilung, o projeto hipnótico multimídia do produtor dinamarquês com o vocalista alemão Kai Uwe Faust e a cantora norueguesa Maria Franz.






sábado, 9 de novembro de 2019

O dia em que DAVID BOWIE derrubou o muro de Berlim



Berlim

Na véspera do lendário concerto em Berlim, em 1987, David Bowie passou o dia no lado oriental. Não tínhamos a menor ideia do que ele tinha ido fazer lá, do outro lado do muro. Aliás, naquela época, ninguém imaginava que algo, um dia, pudesse demover aquela estrutura de concreto bem armado que dividia o mesmo povo em dois mundos. Muito menos que a queda se desse de forma tão inusitada.

A propósito, desde a fundação da primeira Berlim, em 1237, na parte onde está a ilha dos museus (Museusinsel) e sua fusão, setenta anos depois, com o lado norte do rio Spree, quando se formou a cidade dupla, as histórias que compõe a História das Berlins se dividem em trágicas, cômicas e, também, inusitadas.

Depois de passar por vários distúrbios sociais, acrescidos de pestes, guerras e incêndios, a cidade iniciou sua ascensão quando se tornou capital da Prússia e residência oficial do rei. Friedrich III, que era um reles príncipe, conseguiu a promoção após sua autocoroação, transformando-se em Friedrich I, o rei da Prússia. Mas o cara não estava ali para brincadeira. Iniciou um processo de desenvolvimento da cidade, construindo grandes jardins públicos, avenidas (como a famosa Unter den Linden) e, antes de bater as botas, passou o bastão para outros Friedrichs.

Seus sucessores não só deram continuidade à ambiciosa intenção, como ainda, de lambuja, a transformaram na cidade industrial mais importante da Prússia. Além disso, os investimentos em ciências, artes e cultura fizeram com que Berlim passasse a ser o centro do iluminismo. Por esta razão, pensadores, artistas e arquitetos eram atraídos para lá. Nas décadas posteriores foram construídos por Schinkel edifícios dum classicismo pomposo.

Também Lenné criou jardins públicos de um valor artístico esplendoroso. Não fosse outro ambicioso melar os planos, um cara chamado Napoleão, que invadiu, bateu e mandou prender, a fundação do Império Alemão poderia ter demorado menos. Mesmo assim, em 1871, Berlim se tornou a capital desse império e os Friedrichs, que agora eram Wilhelms, acabaram se metendo numa encrenca das grandes: a primeira guerra mundial, cujo desfecho todos nós conhecemos.

Mas depois da divisão da Alemanha em oriental e ocidental, que resultou na construção daquele muro horroroso que cercava a cidade de Berlim, incrustada no meio da Alemanha oriental, outras histórias passaram a compor a Crônica Alemã. Muitos escritores tiveram que produzir no exílio, outros permaneceram em solo comunista, cujas primeiras produções se baseavam em romances dedicados às tragédias da guerra e, também, temas que idealizavam o universo do trabalhador.

Nos anos 60 a produção literária passou a contar com obras mais realistas, que tentavam superar a dicotomia entre trabalho manual e intelectual. Mas foi Christa Wolf quem tematizou, pela primeira vez, a divisão alemã em O Céu Dividido (1963) e Jurek Becker se dedicou à crítica ao cotidiano da Alemanha oriental.

Na década seguinte ainda haveria o subjetivismo de Sarah Kirsch e Stefan Heyn, mas os anos que antecederam a queda, os não menos tumultuados anos 80, eram tempos em que a roqueira Nina Hagen frequentava um bar chamado Risiko e que o monomotor do jovem Mathias, de apenas 19 anos, pousou em plena praça vermelha, diante do Kremlin, num rasante que decepou as cabeças mais altas dos mais altos generais russos.

Naquela noite de sete de junho, o camaleão do rock subiu ao palco, que tinha como fundo o majestoso parlamento alemão – Reichstag, para fazer história. Eu e outros sessenta mil jovens nos espremíamos naquele gramado da Praça da República para ver e ouvir um Bowie que – presença de palco – parecia ter três metros de altura.

De repente a música parou, começou-se a ouvir um ruído que parecia uma espécie de protesto. A gritaria vinha do outro lado do muro, que ficava imediatamente atrás do Reichstag. No lado oriental, outra multidão ouvia Bowie, mas não podia vê-lo. Aos gritos de “O muro tem que sair” e “Nós também queremos ver”, pessoas eram contidas por soldados que não hesitaram em usar a força para tentar dissipar os fãs, que não se intimidaram.

Nesse instante, Bowie virou-se para o lado do muro e, antes de iniciar a próxima canção, disse: “Essa é pra vocês!”.

Cantou a clássica música que conta a história de dois amantes que se encontram no Muro de Berlim: “Heroes”. Todos nos sentimos heróis por um dia.

Tempos depois, se soube que havia equipamentos (caixas de som) virados, estrategicamente, para o lado oriental e também que no dia anterior, Mr. Bowie, havia se encontrado e articulado o ‘movimento’ com jovens alemães orientais. Ele não tinha ido a passeio.

Naquele dia, o muro começou a cair.

David Bowie Glass Spider tour live full concert 87


POR JARI DA ROCHA, COLABORAÇÃO PARA O TIJOLAÇO · 11/01/2016

sexta-feira, 8 de novembro de 2019

OZZY OSBOURNE lançará novo disco em janeiro de 2020


O imortal Ozzy Osbourne lançará novo disco em janeiro de 2020, o álbum terá 9 faixas e foi produzido por Andrew Watt, que é o produtor do rapper Post Malone.

A ideia de gravação do novo álbum com Andrew veio após Ozzy participar da musica "Take What You Want" de Post Malone.

Em entrevista Ozzy disse que a rotina de gravação deste novo disco o retirou de um período de muita tristeza, e que sentia muita falta da musica e fazer alguma coisa nova para seus fãs.

O álbum se chamará "Ordinary Man", o primeiro em quase 10 anos, e contará com a participação do baixista do Guns N' Roses Duff McKagan, o baterista Chad Smith do Red Hot Chili Peppers e Andrew Watt alem da produção fará as guitarras nas gravações.

Ozzy se sentiu novamente na ativa e agradeceu muito o apoio de Tony Iommi, Slash, Elton John e do vocalista do Korn Jonathan Davis.

Nesta semana já esta rolando uma das musicas do novo album, confirá abaixo: "Under the Graveyard".



quinta-feira, 7 de novembro de 2019

MARILLION


O álbum With Friends From The Orchestra tem a data oficial para venda no varejo em 29.11.2019, mas o Marillion iniciou uma turnê em 1º de novembro de 2019 que termina em dois shows no Royal Albert Hall, em Londres, nos dias 18 e 19 de novembro.

Marillion apresentará músicas que abrangem sua carreira de 14 álbuns com Steve Hogarth, marcando 30 anos desde que ele ingressou na banda. .

Gravado no Racket Club e no Real World Studios, e com um tempo de execução de quase 80 minutos, With Friends From The Orchestra apresenta nove faixas clássicas do Marillion repensadas e acompanhadas pelo In Praise Of Folly String Quartet com Sam Morris (trompa francesa) e Emma Halnan (flauta).

1. Estonia
2. A Collection
3. Fantastic Place
4. Beyond You
5. This Strange Engine
6. The Hollow Man
7. The Sky Above the Rain
8. Seasons End
9. Ocean Cloud



terça-feira, 5 de novembro de 2019

THE WHO


A banda anunciou que dia 22 de novembro será lançado o no álbum, desde 2006 o The Who não lançava um novo disco.

Uma das musicas do novo álbum de nome WHO é Ball and Chain, composta por Pete Townshend, ela mostra que Pete continua afiado em suas mensagens.

Abaixo vídeo de lançamento da faixa e a letra traduzida para a galera que gosta mais não esta com o inglês em dia.



Ball and Chain
The Who

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ainda temos a bola e a corrente
We still got the ball and chain

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ainda temos a bola e a corrente
We still got the ball and chain

Aquela linda peça de Cuba
That pretty piece off Cuba

Projetado para causar dor aos homens
Designed to cause men pain

Uau, quando você se ilumina em Cuba
Whoa,  when you light up in Cuba

Você não sentirá o mesmo novamente
You won't feel the same again

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ufa, ainda esperando pelos grandes charutos
Whew, still waiting for the big cigars

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ufa, ainda esperando pelos grandes charutos
Whew, still waiting for the big cigars

Foi uma quebra de promessa
Been a breach of promise

Ainda culpado sem nenhum custo
Still guilty with no charge

Há fumaça na floresta
There's smoke in the forest

E o tumor está ficando grande
And the tumor is getting large

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ainda temos a bola e a corrente
We still got the ball and chain

Em Guantánamo
Down in Guantanamo

Ainda temos a bola e a corrente
We still got the ball and chain

Há um longo caminho a percorrer
There's a long road to travel

Para a justiça fazer sua reivindicação
For justice to make its claim

Então vamos derrubar o martelo
So let's bring down the gavel

Deixe o prisioneiro dizer o nome dele
Let the prisoner say his name

Mmm, ainda esperando pelos grandes charutos
Mmm, still waiting for the big cigars

Ainda esperando pelo
Still waiting for the

Ainda à espera dos grandes charutos
Still waiting for the big cigars

Ei, ainda esperando pelos grandes charutos
Hey, still waiting for the big cigars


terça-feira, 29 de outubro de 2019

DUFF MCKAGAN'S LOADED


Formação:

Duff McKagan - Guitar e Voz

Mike Squires - Guitar Mike Squires - Guitar

Jeff Rouse - Bass Jeff Rouse - Bass

Geoff Reading - Drums Geoff Reading - Bateria

Duff McKagan, depois de ter esculpido um lugar no rock 'n roll da história, não exige longa introdução. Sua antiga banda, Guns n 'Roses e o atual supergrupo, Velvet Revolver, que viajou o mundo vendendo milhões de discos.

Loaded foi formado em 1999 e se transformou várias vezes, lançando dois álbuns: 1999's "Live Episode" album and 2001's "Dark Days" and 2008's "Wasted Heart". O baterista atual line-up características Geoff Reading (New American Shame, Green Apple Quickstep), o baixista Jeff Rouse e guitarrista Mike Squires (ambos ex-Alien Crime Syndicate). Este grupo coeso de rock 'n roll traz sua alta energia para cada fase, a partir de Sunset Seattle's Tavern a NK Hall de Tóquio.

É assim, como McKagan resumir esta banda para aqueles que nunca tenha ouvido antes:

"Para mim, o Loaded é um grupo de iguais. Este projeto não é um solo onde eu pago alguns contratados para tocar minhas músicas. Eu poderia ter o nome, mas nós somos uma banda de verdade.  Esses caras não têm medo de mim. E as pessoas estão indo para os shows porque gostam, não porque eles são fãs de alguma coisa que eu fiz. "

fonte: http://duff-loaded.com/


domingo, 27 de outubro de 2019

BUDGIE


Budgie é uma banda do País de Gales que foi formada em 1968 por Burke Shelley no baixo e vocal, Tony Bourge nas guitarras e vocal e Ray Phillips na Bateria. Atuamente a formação é Burke Shelley Vocal e baixo, Steve Williams bateria e Craig Goldy nas Guitarras.

O estilo da banda sofreu influencia das texturas progressivas de Rush e o peso do Black Sabbath. Budgie teve uma participação discreta no cenário heavy metal, mas muitas bandas atuais diz ter influencia deles em seu som, as mais conhecidas são, Van Halen,  Queens of the Stone Age, Alice in Chains, Iron Maiden, Metallica, Megadeth e Soundgarden.

O vídeo e da faixa Zoom Club do álbum In For The Kill de 1974, que considero o melhor da banda.


Versão original de 1974

Site da banda: budgie

sexta-feira, 18 de outubro de 2019

JAMES "THE KING" BROWN


James "The King" Brown consegue nos mostrar o rocknroll que Elvis Presley cantaria se estivesse vivo, com uma banda muito competente "The King" lançou pelo menos dois ótimos discos.

Inicialmente um carteiro de Belfast na carreira , James "The King" Brown tornou-se cantor após a reação positiva que recebeu ao apresentar " Suspicious Minds " e " The Wonder of You " em um bar em Belfast, atraindo a atenção do cantor e compositor local, produtor musical e ex- Energy Orchard vocalista Bap Kennedy. 

Brown descreve a si mesmo como um fã de Elvis ao longo da vida e afirma que, em vez de se passar por Elvis, sua voz cantada é naturalmente parecida .

O primeiro álbum Gravelands lançado em 1997 tem sucessos como " Come as You Are " do Nirvana e " Whole Lotta Rosie " AC/DC. O disco vendeu meio milhão de cópias.

Em 2000, Brown lançou seu segundo álbum, Return to Splendor, que continha o hit " Under The Bridge ", originalmente de Red Hot Chili Peppers

Brown continua se apresentando ao vivo na Irlanda do Norte e fez uma turnê com "The Elvis Spectacular".



segunda-feira, 7 de outubro de 2019

Searching for Sugar Man


Este documentário conta a trajetória de Sixto Díaz Rodríguez, mexicano naturalizado americano, que nos anos 60 tentou a careira de cantor na cidade de Detroit, e nos anos 70 lançou dois discos que foram aceito pela critica musical mas foi um fracasso de vendas.

Rodriguez, como era conhecido, sumiu da cena musical e surgiram rumores de suicídio.  No final da década de 70 uma americana em visita a África levou um dos discos para seu namorado, e a através do boca-a-boca começou uma grande divulgação das musicas de Rodriguez.

Uma gravadora na África do Sul lançou oficialmente os discos no país, vendendo mais de meio milhão de cópias. O impacto foi tão grande que o cantor e compositor desconhecido em seu país, tornou-se na Africa do Sul tão importante quanto Elvis Presley, John Lennon, Bob Dylan e Rolling Stones e suas canções serviram de hinos de protestos contra o apartheid.

Nos anos 90 um grupo de fãs resolveram tirar esta história a limpo. Vale apena ver o documentário e ver tudo que aconteceu e como aconteceu.




sábado, 5 de outubro de 2019

The Story of Wish You Were Here


É um documentário sobre a criação do álbum Wish You Were Here da banda Pink Floyd lançado em setembro de 1975. No estúdio King’s Cross, em Londres, David Gilmour tocou em sua guitarra uma sequência de notas que inspirou Roger Waters a escrever a letra da canção “Shine on you crazy diamond”, suja letra fala sobre a ausência de Syd Barret.

Este documentário foi primeiramente exibido na TV e em junho 2012 foi lançado em DVD.

Além de acompanhar toda a criação do álbum você poderá ouvir o som das fitas originais gravadas no Abbey Road Studios.

Este registro conta com entrevistas com todos os participantes que produziram o disco e  inclui também cenas em que Roger Waters e David Gilmour executam alguns trechos das músicas.

Este documentário está disponível no Youtube apenas com áudio e legendas em inglês, mas é possível baixar legenda em português em alguns sites especializados em legendas.

Abaixo trailer do documentário:




quinta-feira, 3 de outubro de 2019

If I Leave Here Tomorrow


Este documentário do Lynyrd Skynyrd tem entrevistas raras e arquivos nunca antes vistos, que levará os espectadores a uma viagem pela história, mito e lenda da maior banda de rock americana de todos os tempos. Nascido nos pântanos do Deep South, os bons e velhos garotos de Jacksonville, FL a banda se firmou como a maior banda de southern rock.

Lynyrd Skynyrd ganharam fama internacional principalmente após a morte de Ronnie Van Zant (vocal e compositor), Steve Gaines (guitarra) e além de Cassie Gaines (voz de apoio) em um acidente aéreo ocorrido em 20 outubro de 1977 próximo a Gillsburg no Mississipi.

A banda somente retornou a ativa em 1987, com Johnny Van Zant irmão mais novo de Ronnie nos vocais do Lynyrd Skynyrd.

Atualmente eles estão em uma tour de despedida, "The Last of The Street Survivors Farewell Tour", que segundo assessoria de imprensa da banda, ela será longa e passará pela America Latina.




domingo, 29 de setembro de 2019

VELVET GOLDMINE


O filme rola em torno do cantor do Brian Slade, na década de 70 ele era o ícone do movimento glam rock. Com dificuldade em lidar com a fama Slade forja sua própria morte. Anos depois, um jornalista inglês investiga a carreira e o desaparecimento do artista.

Brian Slade como os demais personagens são fictícios, mas vocês certamente identificara no filme, David Bowie, Marc Bolan (T.Rex), Iggy Pop e Lou Reed.

A trilha sonora é primorosa e Velvet Goldmine conseguiu passar muito bem o que foi o movimento glam rock.

David Bowie foi convidado a participar do filme, mas se recusou. apesar de Velvet Goldmine é uma musica dele, nenhuma de suas músicas não foram incluídas na trilha sonora, sob a alegação que Bowie faria um filme como o mesmo tema sobre sua carreira.