ATITUDE ROCK'N'ROLL

ATITUDE ROCK'N'ROLL divulga a cultura rock e novas bandas

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

KING GIZZARD & THE LIZARD WIZARD


Um vendaval psicadélico?

Sim é King Gizzard & the Lizard Wizard banda australiana de rock psicodélico formada em 2010 em Melbourne.  Apesar de pouco tempo de estrada eles já lançaram 12 álbuns, só em 2017 foram 5 álbuns.

A banda é formada por Stu Mackenzie (vocal e guitarra), Ambrose Kenny-Smith (vocal, gaita, teclados), Cook Craig (guitarra e vocal), Joey Walker (guitarra, vocal), Lucas Skinner (baixo), Michael Cavanagh (bateria, percussão) e Eric Moore (bateria, percussão, gerenciamento).

É conhecida por sua prolífica produção de gravação e por suas performances energéticas ao vivo.
Seus dois primeiros álbuns, 12 Bar Bruise (2012) e Eyes Like the Sky (2013), misturaram surf music, garage rock e rock psicodélico ao som da banda. Estes álbuns foram os lançamentos de estréia da gravadora independente da banda, Flightless, fundada por Moore em 2012.

Em seus álbuns seguintes, expandiram seu som, incluindo elementos da música cinematográfica, rock progressivo, folk, jazz, soul e heavy metal.



Facebook da banda: https://www.facebook.com/kinggizzardandthelizardwizard/

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

Eu Fui: JOE SATRIANI Abril 2003


Acostumado com guitarristas que em cada frase coloca um "bend" e com bandas que aplicavam sua melodia com base a voz de um cantor, este show é meu primeiro com um guitarrista que usa a técnica de Slide e muita variação com a utilização de ponte Floyd Rose e muita musica praticamente baseada em progressão de escalas, quanto a melodia da musica ela é aplicada praticamente nos solos de guitarra.

Neste show Satriani estava acompanhado de Matt Bissonette no baixo, Jeff Campitelli na bateria e Galen Henson na guitarra base.

O inicio já mostrou que o show seria de arrepiar, pois na entrada de “Flying In A Blue Dream”, Satriani já mostra a melodia da musica com o controle da distorção da sua guitarra prateada.

Apesar de ser minha primeira vez no show de Satriani, esta era a terceira vez dele no Brasil, desta vez para a divulgação de seu cd “Strange Beautiful Music”.

Foi um show para 7000 pessoas, que como eu, impressionado com a qualidade  e com o clima criado na apresentação de um Satriani muito entusiasmado.

Depois deste show eu me aprofundei mais na discografia de Satriani e vi que não é apenas um guitarrista executando progressão de escalas, mas um guitarrista de extrema habilidade e criatividade.



segunda-feira, 13 de agosto de 2018

THE DOGS D'AMOUR


The Dogs D'Amour é uma banda de rock inglesa formada em 1983. Neste ano de estréia fizeram em torno de 50 shows e gravaram muitas canções.

A banda se separou por volta de 1990. Reformou em 2000 e novamente em 2012, a formação mais famosa, incluía o Portugues Jo "Dog" Almeida na guitarra, Tyla na voz e guitarra base, Bam na bateria e o baixista Steve James. Somente Tyla participou de todas as formações que os Dogs tiveram.

Hoje em dia Tyla, alem de editar discos solo, continua a banda com novos membros que entram e saem o tempo todo.


https://www.facebook.com/thedogsdamour/

MALINA MOYE


Malina Moye é considerada uma das dez melhores guitarristas dos últimos anos e tem até uma linha de guitarras Fender criada especialmente para ela que é canhota. Ela também é uma das poucas guitarristas capazes de tocar tanto soul quanto rock com maestria.

Malina ganhou a sua primeira guitarra aos dez anos de idade e começou a tocá-la invertida para adaptá-la a sua mão esquerda. Suas influências vem do canhoto mais famoso da guitarra Jimi Hendrix, e também de Prince, Led Zeppelin e Janet Jackson.

Ela foi convidada a tocar o hino nacional em um evento esportivo e se juntou ao Experience Hendrix Tour, interpretou “Stop and Listen”, de Chuck Berry, em um concerto de tributo ao Hall da Fama do Rock and Roll, e cantou “God Save the Queen” para a celebração do 60º aniversário da Rainha Elizabeth no Goodwood. Malina não é apenas uma guitarrista ela é cantora, compositora e empresária.

Em uma entrevista ela disse:

“Olha, minha mãe me disse uma vez: não importa o que você vá fazer, o que você vá ser, faça com paixão. Eu sou boa como qualquer homem, e vou continuar a fazer o meu caminho sem olhar para essas barreiras. Claro que esse mundo poderia ser aberto para mais garotas, mas acho que você tem de exigir o respeito que você merece e não se intimidar. Essa é a primeira lição.”



Discografia:

Diamonds & Guitars (2009)

Rock & Roll Baby (2014)

Bad as I Wanna Be (2018)

domingo, 12 de agosto de 2018

Eu Fui: BUDDY GUY Novembro 2000


Dei sorte, pois diferente dos demais shows que ele fez no pais depois de 2000, este show Buddy Guy fez um blues no estilo bem rural como era tocado no Mississípi.

A banda de blues Sunwalk and Dog Brother, de Ribeirão Preto, abrui o show, Buddy Guy sempre abre espaço para novos no blues, ele quer ajudar quem esta no inicio da carreira, como fizeram com ele no seu inicio.

O que rolo no show é basicamente do disco de 1998, "Heavy Love" que é repleto de musica de grandes mestres do blues e algumas de autoria própria.

Claro eu não lembrava a banda que veio com ele, mas achei na internet:

O saxofonista Jason Moynihan, o contra-baixista Orlando Wright, o guitarrista Francis Blinkal, o tecladista Tony Z e o baterista Jerry Porter.

Como já publicado em vários veículos:

A crítica garante que Eric Clapton é o Deus das guitarras. Mas “Deus” assegura que Buddy Guy é o melhor guitarrista de blues de todos os tempos.


sábado, 11 de agosto de 2018

SLASH & FERGIE


Slash fez uma parceria com a Fergie para gravar um vídeo de divulgação da faixa "Beautiful Dangerous" do seu primeiro álbum solo.

No vídeo Fergie é uma fã obcecada Slash e com um "dose"  a mais consegue o que quer com seu ídolo. Rola cenas dela se preparando para ir ao show, ela dança, tomando banho, troca de roupa, e quando o leva para casa rolam varias cenas sensuais na cama e um desfecho bem forte.

Na época o vídeo teve problemas para ir ao ar nas Tvs americanas, e em uma entrevista de Slash rindo disse:

"É bem polêmico, mas eu achei que isso era bom. Aparentemente, ao menos essa versão para a TV vai precisar ser repensada por causa da quantidade de peitos e bundas aparecendo".

Mas na era da rede mundial de computadores nada fica escondido e o vídeo rola ia pelo Youtube, a parceria deu tão certo que você também acha vários videos com eles em performance de outros clássicos .


sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Eu Fui: DEEP PURPLE Setembro 2003


O Show fez parte do Kaiser Music Festival que lotou o estádio do Pacaembu, em São Paulo, se apresentaram as bandas Hellacopters, Sepultura e Deep Purple, nesta ordem.

Não tinha visto os suecos do Hellacopters tocarem ao vivo, e gostei muito, foi um show de 50 minutos que pareceu muito menos que isso de tão bom que foi.

Na sequência, o Sepultura entrou para apresentar as musicas de seu disco recém lançado, Roorback e também algumas musicas de discos anteriores.

Antes de falar do Deep Purple, queria contar uma cena que ocorreu com uma família que estava sentada a minha frente. Era o pai (veio ver Purple) com dois filhos e um sobrinho(que vieram assistir o Sepultura), o pai tinha uns 50 anos e os meninos entre 15 a 17 anos, antes da entrada o Sepultura o pai fez a seguinte aposta com os meninos:

Se o show do Sepultura fosse melhor que o do Purple eles escolheriam onde seria o jantar (eles queriam lanche do McDonald), caso contrario iriam jantar em um restaurante e não poderiam comer lanche só comida normal.

Começou o show do sepultura os meninos ficaram loucos balançavam a cabeça e cantavam, isto foi até a quarta musica, a partir dai começaram a se sentar e em algumas musicas apenas cantavam junto, foram 50 minutos de show, que mais pareceu intermináveis três horas (eu particularmente não via a hora de acabar a coisa). Iniciou o show do Deep Purple foi a mesma coisa a meninada ficou malucos com o som, mas desta vez só se sentaram após o "bis", já no meio do show eles já admitiam que eles teriam que ir para o restaurante.

Vamos ao importante, a apresentação do Deep Purple foi extremamente competente e presenteou os presentes com a sequencia de clássicos de sua carreira e canções do recém-lançando álbum "Bananas".

O inicio foi de levantar a plateia com "Highway Star", seguida por "Woman from Tokyo". O publico também adorou quando a banda fez várias citações durante a apresentação, como temas de "O Fantasma da Ópera" e "Surpeman", além da "Aquarela Brasil", sem contar com introdução a "Smoke On The Walter" com os riffs de "Sweet Child O'Mine", "Stairway to Heaven" e "Day Tripper".

Abaixo um vídeo com uma pequena amostra do que rolo no dia.


Mulheres estão salvando o mercado das guitarras, diz Fender

Ana Popovic

Li uma matéria no site/blog showlivre.com e no texto tem duas informações interessantes.

A primeira é preocupante, pois informa que as vendas de guitarras no Brasil caiu 80% nos últimos 5 anos, li também em outro site que na lista das 100 musicas mais ouvidas, o rock nacional não aparece em nenhuma posição. Será o fim do rock nacional?

A segunda informação é muito legal, o vice-presidente da Fender disse que a mulher é a maior responsável pela aquisição de novas guitarras, elas estão "salvando" o mercado. Realmente estou vendo isto acontecer, pois em meu blog a cada dia aumenta o numero de bandas que são feitas por mulheres ou tem mulher na sua formação.

Visitem showlivre.com para ver a matéria na integra, inclusive com um vídeo da entrevista com o vice presidente da Fender, e de quebra conheça um blog com ótimas matérias.

Com elas estão "salvando" o mercado e a roubando a cena, então deixa a garota tocar. Veja o vídeo:




quinta-feira, 9 de agosto de 2018

ELVIS PRESLEY disco novo


Dia 16 de agosto a 41 anos atrás morria Elvis Presley o maior cantor de RocknRoll de todos os tempos. Lisa Marie Presley resolveu lançar neste dia 10 de agosto um álbum de musica gospel para homenagear a memoria de seu pai. Em uma entrevista Lisa disse:

"Foi a música gospel que alimentou ferozmente sua paixão musical, embora sua síntese única entre o country, o popular e o R&B tenham feito dele um ídolo para milhões de pessoas ao redor do mundo. Familiares e amigos se recordam de ouvir com frequência Elvis cantando música gospel em casa e durante o aquecimento para seus shows”.

Faixa ‘Where No One Stands Alone' dá título ao disco que foi produzido por Lisa, Joel Weinshanker e Andy Childs, que terá também Canções clássicas como “Amazing Grace”, “He Touched Me” e “How Great Thou Art”.

O disco terá raros vocais alternativos de Elvis e contribuições vocais de apoio de lendas da música que atuaram com Elvis como, Darlene Love; Cissy Houston; Terry Blackwood, Armond Morales e Jim Murray do The Imperials; e Bill Baize, Ed Hill, Donnie Sumner e Larry Strickland do The Stamps Quartet.

O lançamento do álbum será na mansão de Elvis Presley, em Graceland no Tennessee - EUA, que virou um memorial para visitação dos fãs do cantor (já estive lá por duas vezes).

Para a divulgação do álbum, Lisa lançou neste dia 08 de agosto a gravação do vídeo onde faz um dueto póstumo com o pai na musica “Where No One Stands Alone” que dá nome ao álbum.



Sobre o vídeo que você poderá ver abaixo, Lisa disse:

“Foi uma experiência muito poderosa e emocionante cantar com meu pai. As letras falam comigo e tocam minha alma. Estou certa de que as letras falaram com meu pai da mesma maneira”.



quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Eu Fui: FISH Maio 2005



O show foi na turnê que comemorava o 20º aniversário da Misplaced Childhood, o álbum de maior sucesso da Marillion, banda que Fish participou no período de 1981 a 1988.

O setlist do show foi montado com algumas musicas dos 8 discos solo que Fish gravou até 2004 e as musicas de Misplaced Childhood.

Na época estranhei que no Brasil foi Show único, enquanto no Chile Fish fez 3 apresentações, inclusive um em estadio de futebol. Quando entrei no Olympia percebi que no Brasil o publico de musica progressiva é muito pequeno, pois não vendeu todos ingressos e tinha lugares em todos setores.

Quem não foi perdeu um grande show, Fish cantando muito e com uma banda competentíssima.

A turnê de 2005 deu tão certo que a apresentação em Tillburg, Holanda no final de 2005 foi gravada e lançada em disco duplo,"Return ToChildhood", um disco focando o trabalho solo de Fish, e o segundo a performance completa de ‘Misplaced Childhood’ e o "bis" composto por outros hits Marillion.


terça-feira, 7 de agosto de 2018

GENETICS


GENETICS é uma banda argentina que executa a música Genesis com precisão e paixão únicas, incluindo músicas de todos os discos lançados até 1977.

Formado por Daniel Rawsi (bateria, percussão, vozes), Claudio Lafalce (baixo, baixo pedais, guitarras, vozes), Leo Fernández (guitarra), Horacio Pozzo (teclados, guitarras), Tomás Price (voz, flauta, percussão). A banda sofreu a perda de seu amigo e cantor Ignacio Rodriguez Genta em janeiro de 2015.

Segundo críticos e fãs, GENETICS caracteriza sua extrema fidelidade às gravações e encenações originais. Durante 2014, eles apresentaram "The Lamb Lies Down na Broadway" - um dos álbuns mais lembrados do Genesis - nos cinemas da Argentina, Brasil e Chile, com grande impacto público e de crítica.

O histórico da banda remonta a 1986, quando um grupo de Buenos iniciou o projeto da banda com o nome de Rael, em homenagem ao personagem principal de um dos registros mais emblemáticos de Gênesis, bem como toda a história do rock sinfônico, "The Lamb Lies Down On Broadway".

Em poucos anos, o grupo mudou-se para a preferência de público amante do gênero e, entre outras conquistas, chegou a ser banda de apoio de Steve Hackett e Rick Wakeman. Rael logo começou a compor suas próprias canções e lançou seu primeiro álbum "Máscaras Urbanas", publicado na França. Seus shows começaram a combinar a música de Genesis e a deles mesmos. Após apresentações internacionais no Uruguai e no Chile, Rael finalmente se separou no final de 1993.

Em março de 2011, três ex-integrantes do Rael (Daniel Rawsi, Ignacio Rodríguez Genta e Horacio Pozzo) reuniram-se para formar Genetics com Claudio Lafalce no baixo e Diego Chorno no violão, que seria substituído por Leo Fernandez em 2013. Para assinalar o 40º aniversário do lançamento dos últimos três álbuns com Peter Gabriel, a GENETICS fez apresentações de obras completas em várias cidades da América do Sul: Buenos Aires, La Plata, Rosário, Mendoza, Santiago, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

A interpretação magistral da GENETICS do rock sinfônico do Gênesis recebeu elogios da imprensa local e internacional e de músicos renomados, destacando a maneira requintada e precisa de suas performances e sua capacidade de recriar a atmosfera dos teatros londrinos nos anos 70. Com a clara intenção de recriar a música como era pretendida por seus criadores, a Genetics busca alcançar o som original das músicas, captando o som dos instrumentos da época. Para conseguir isso, eles recorrem a recursos tecnológicos que emulam instrumentos como o Mellotron e empregam um Sintetizador ARP Pro Soloist original de 1972, idêntico ao usado pelo tecladista da Genesis, Tony Banks.

Em junho de 2015, a Genetics apresentou-se com Steve Hackett no Teatro Coliseo de Buenos Aires, vendendo dois shows em tributo ao seu ex-cantor "Nacho", e produzindo um dos eventos mais memoráveis, de acordo com audiências especializadas. Os shows foram documentados em um DVD de alta qualidade que reflete a intensidade do encontro, gerando futuros projetos de colaboração em todo o mundo.

Em 2016, Genetics mais uma vez convidados Steve Hackett em um concerto emocionante em Lima, Peru, no Gran Teatro Nacional. Em 2017, por ocasião do 40º aniversário do álbum ao vivo do Genesis, a banda argentina apresentou seu novo show no Teatro Coliseo, "Seconds Out", com ingressos completamente esgotados.

No site da banda tem ótimo material de fotos e videos e mais informações sobre este valoroso projeto.



Fonte site da banda: genetics.com.ar

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Eu Fui: JEFF BECK Novembro 2010


A turnê foi para promover o álbum "Emotion & comotion", primeiro de inéditas em sete anos. Além das musicas do álbum, Beck tocou também algumas musicas dos álbuns "Who's Else", "You Had It Coming" e "Jeff", e os covers, "A day in the life", dos Beatles, e a ária "Nessum dorma", que fechou o show.

Jeff foi acompanhado pelo baterista Narada Michal Walden, o tecladista Jason Rebello e a baixista e vocalista Rhonda Smith (que tocou por 10 anos com Prince).

Na epoca Jeff Beck estava com 66 anos e mostrou porque é considerado por David Gilmour melhor guitarrista em atividade.

No Youtube possui alguns registros feitos com celular, escolhi o abaixo para colocar aqui.



SETLIST:

Plan B
Stratus
Led Boots
Corpus Christi
Hammerhead
Mna Na Eireann
Bass Solo
People Get Ready
You Never Know
Rollin' & Tumbkin'
Big Block
Over The Rainbow
Blast From The East
Angels
Dirty Mind
Brush With The Blues
A Day In The Life

Bis:
Higher
How High
Nessun Dorma

domingo, 5 de agosto de 2018

MONALISA TWINS



MonaLisa Twins, banda formada pelas irmãs gêmeas Mona e Lisa Wagner. Elas querem continuar a tradição dos anos 60 no modo de escrever músicas, trazendo de volta o que foi iniciado anos atrás e escrever músicas modernas na tradição da música Beat dos anos 60.

Em seu álbum de estréia, "When We're Together", que gravaram com apenas 16 anos, elas apresentam as melhores músicas do Rock 'n' Roll e Beat, se aventurando nos gêneros Psicodélico, Folclórico e Latino, inspirados nos gostos de Os Beatles, Bob Dylan ou Simon & Garfunkel.

O atual álbum, ORANGE, oferece uma abordagem mais madura, mantendo-se fiel à escrita melódica dos anos 60, muitas harmonias e toques de guitarra, este álbum se expande em tons mais psicodélicos, blues e jazzísticos.

Com 10 anos de carreira, 5 álbuns, mais de 100 videoclipes, milhões de visualizações no YouTube, dezenas de milhares de inscritos e muito sangue, suor e lágrimas depois, elas estão vivendo e trabalhando em Liverpool / UK. Com uma série de shows ao vivo na Europa, Reino Unido, EUA e Austrália.

O que elas mais se orgulham? Elas fizeram do seu jeito. Todos os vídeos que elas lançaram, todas as músicas que elas escreveram, todos os álbuns lançados por elas, todos os posts em blogs nas redes sociais e até mesmo o site delas vêm do espírito coletivo de sua pequena, mas poderosa equipe. Isso não significa que elas não querem ou precisam da ajuda de outras pessoas, mas isso significa que elas estão dispostos a trabalhar duas ou três vezes mais para que não tenham que dar sua liberdade criativa ou valores para qualquer sucesso a curto prazo. Elas criaram seu próprio selo e levaram o DIY a um nível totalmente novo.


Fonte site da Banda: monalisa twins
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...