21 maio 2024

TRAPEZE E GLENN HUGHES

Trapeze: Ficou Conhecido com a Chegada de Glenn Hughes ao Deep Purple




Trapeze: Ficou Conhecido com a Chegada de Glenn Hughes ao Deep Purple trapeze-album-You-Are-the-Music-We're-Just-the-Band



O Hard Rock Britânico dos Anos Setenta


Se há uma década que marcou o cenário do hard rock britânico, foi certamente a de setenta.

Entre as diversas bandas que ecoavam pelos palcos, o Trapeze se destacou, conquistando sucesso notável nos Estados Unidos, onde ficou apenas atrás do lendário Led Zeppelin.

Eles foram uma das primeiras bandas a misturar hard rock, funk e soul, criando um som original e inovador.

O Trapeze foi formado a partir da fusão de duas bandas anteriores: The Montanas e Finders Keepers.

O nome da banda, que foi inspirado em um filme de 1956 estrelado por Burt Lancaster, Tony Curtis e Gina Lollobrigida.


Glenn Hughes e o Trapeze: Uma Parceria de Sucesso


O ponto de virada na trajetória do Trapeze aconteceu quando Glenn Hughes, posteriormente apelidado de “The Voice Of Rock”, uniu forças com a banda.

Hughes, inicialmente guitarrista, tornou-se baixista e vocalista, moldando seu talento e estilo únicos.

Deixando a escola aos 15 anos para seguir sua paixão pela música, Hughes rapidamente se destacou no cenário local antes de ingressar no Trapeze.

Sua participação na banda não só elevou o grupo a novos patamares, mas também foi o trampolim para sua futura fama com o Deep Purple.


Mel Galley: O Líder Incontestável


No coração do Trapeze estava Mel Galley, o líder incontestável e principal compositor. Galley permaneceu como o único membro presente em todas as formações da banda, deixando uma marca indelével em sua história.



trapeze-album-medusa


A Saída de Glenn Hughes e o Convite do Deep Purple


A ascensão meteórica de Glenn Hughes no Trapeze atraiu a atenção do Deep Purple. Em 1973, Hughes recebeu um convite para substituir Roger Glover no baixo.

A decisão de Hughes de aceitar esse convite foi crucial e marcou o fim de sua jornada com o Trapeze.


Mel Galley: Uma Lenda do Rock


Mel Galley, além de seu papel no Trapeze, deixou sua marca em bandas como Whitesnake, Phenomena, e Finders Keepers.

Seus maiores sucessos, “Ain't no Love in the Heart of the City” com o Whitesnake e “Did it All for Love” com o Phenomena, ecoam até hoje.

Infelizmente, a batalha contra um devastador câncer de esôfago levou Mel Galley em 1 de julho de 2008.

Mesmo em meio a condições de saúde críticas, suas mensagens encorajadoras no MySpace emocionaram fãs e amigos ao redor do mundo.


A Homenagem Póstuma e o Legado de Mel Galley


A comovente homenagem de David Coverdale durante a turnê europeia do Whitesnake, dedicando “Love Ain’t No Stranger” a Mel Galley todas as noites, evidencia o impacto duradouro do guitarrista.

Seu ex-companheiro Glenn Hughes também expressou suas emoções, prometendo honrar o legado de Galley.

“Melville, comigo, o seu legado está em boas mãos! Nos encontraremos um dia no Jardim, e logo o reconhecerei como meu irmão”.




trapeze-album-trapeze-1976



Discografia


A discografia da banda Trapeze é composta por sete álbuns de estúdio, lançados entre 1970 e 1979.

Trapeze (1970): O álbum de estreia da banda, que contou com a participação de John Jones e Terry Rowley, além do trio clássico formado por Glenn Hughes, Mel Galley e Dave Holland.

O álbum apresenta um som mais progressivo e psicodélico, com influências de jazz e soul.

Medusa (1970): O segundo álbum da banda, e o primeiro como um trio. O álbum é considerado um clássico do hard rock, com músicas como “Black Cloud”, “Medusa” e “Touch My Life”.

O álbum mostra a evolução do som da banda, que se tornou mais pesado e direto.

You Are the Music... We're Just the Band (1972): O terceiro álbum da banda, e o último com a participação de Glenn Hughes.

Este álbum é outro marco do hard rock, com músicas como “Coast to Coast”, “You Are the Music” e “Keepin' Time”. O álbum também incorpora elementos de funk e soul, destacando o talento vocal de Hughes.

Hot Wire (1974): O quarto álbum da banda, e o primeiro com a nova formação, que incluía Rob Kendrick na guitarra e Pete Wright no baixo, além de Mel Galley e Dave Holland.

O álbum mantém o estilo hard rock da banda, com músicas como “Back Street Love”, “Take It On Down the Road” e “Midnight Flyer”.

Trapeze (1976): O quinto álbum da banda, e o segundo homônimo. O álbum marca o retorno de Glenn Hughes, que se reuniu com Mel Galley e Dave Holland para uma turnê em 1976.

Este é uma compilação de músicas gravadas ao vivo durante essa turnê, com algumas faixas de estúdio inéditas. O álbum mostra a química e a energia da banda ao vivo.

Hold On (1979): O sexto e último álbum da banda, e o único com a participação de Peter Goalby nos vocais e na guitarra, além de Mel Galley e Dave Holland.

O álbum apresenta um som mais comercial e pop, com músicas como “Don't Ask Me How I Know”, “Running” e “Hold On”. O álbum foi lançado apenas nos Estados Unidos, e não teve muito sucesso.

Welcome to the Real World: Live at the Borderline (1998): O único álbum ao vivo oficial da banda, lançado postumamente. O álbum registra um dos shows da turnê de reunião da banda em 1992, que contou com Glenn Hughes, Mel Galley, Dave Holland e Geoff Downes nos teclados. O álbum traz clássicos da banda, como “Black Cloud”, “Coast to Coast” e “You Are the Music”.

Quem Produziu os Álbuns do Trapeze


- Trapeze (1970): John Lodge, baixista do The Moody Blues

- Medusa (1970): John Lodge

- You Are the Music... We're Just the Band (1972): Neil Slaven, produtor de blues e rock

- Hot Wire (1974): Tom Dowd, produtor de jazz, R&B e rock

- Trapeze (1976): Steve Smith, produtor de rock e pop

- Hold On (1979): Steve Smith




trapeze-album-live-way-black-to-the-bone


Clássicos do Trapeze


As músicas do Trapeze abordavam diversos temas, como amor, solidão, liberdade, esperança e desafios.

A música “Black Cloud” fala sobre a tristeza de perder alguém;

Já a música “Medusa” conta a história de uma mulher sedutora e perigosa;

“Coast to Coast” tem como tema o desejo de viajar pelo mundo;

“On the Sunny Side of the Street” celebra a alegria de viver;

“Don't Ask Me How I Know” reflete sobre as lições aprendidas na vida.

Essas músicas mostram a sensibilidade e a criatividade dos compositores do Trapeze, que souberam explorar diferentes emoções e situações em suas letras.


O Trapeze e o Legado Perene


O Trapeze teve diversas mudanças de formação ao longo dos anos, alguns dos músicos que passaram pela banda foram Pete Goalby, que depois se juntou ao Uriah Heep, e Dave Holland, que depois se juntou ao Judas Priest.

A banda, impulsionado pela presença de Glenn Hughes e liderado por Mel Galley, deixou uma marca indelével na história do rock.

A jornada da banda, desde os palcos britânicos até os corações americanos, continua a inspirar e influenciar novas gerações de amantes do rock.

Alguns álbuns mais aclamados do Trapeze, Medusa (1970) e You Are the Music... We're Just the Band (1972), são considerados clássicos do gênero.

O legado de Mel Galley perdura não apenas nas músicas atemporais, mas nas memórias e homenagens de seus companheiros de banda e fãs.

A história do Trapeze é um testemunho do poder transformador da música e da eternidade das lendas do rock.