29 maio 2024

EUCLID

Euclid: O Psicodelismo Esquecido dos Rincões do Maine


Euclid-album-Heavy-Equipment


Olá, galera do rock! Hoje, levarei vocês para uma viagem ao rock psicodélico, explorando os recantos menos conhecidos da cena rock dos anos 60 e 70.

Preparem-se para conhecer a explosiva jornada da banda norte-americana Euclid, que fez história no estado do Maine.

A banda foi formada em 1968 por Ralph Mazzotta (guitarra), Gary Leavitt (vocal e guitarra), Jay Leavitt (bateria) e Harold Perino (baixo).

Eles se conheceram em um clube chamado The Barn, onde tocavam covers de bandas como Cream, Jimi Hendrix e The Who.

O nome da banda foi inspirado pela Euclid Company of Ohio, uma empresa que fabricava equipamentos pesados para construção e mineração.

Por isso, a capa do álbum mostra uma escavadeira em um cenário desértico.


Uma Fusão de Psicodelia, Garage e Hard Rock


Imagine uma mistura perfeita entre rock psicodélico, garage rock e hard rock. Essa era a fórmula mágica da Euclid, uma banda que soube combinar esses elementos de maneira inovadora.

Em meio à efervescência cultural da época, eles se destacaram pela ousadia sonora e pelas performances eletrizantes.


O Poder e a Inovação do Álbum


No centro dessa jornada sonora está o álbum que definiu a identidade da Euclid. Poderoso, pesado e inventivo, ele é um verdadeiro tesouro escondido no vasto universo do rock.

Cada faixa é uma experiência sensorial, levando os ouvintes a uma montanha-russa de emoções. O álbum, intitulado Heavy Equipment, foi lançado em 1970 pela Flying Dutchman Records, uma gravadora especializada em jazz e soul.

O álbum foi produzido por Bob Thiele, que já havia trabalhado com nomes como John Coltrane, Louis Armstrong e Albert Ayler. 

Com oito faixas, sendo sete originais e uma versão de “Gimme Some Lovin'”, um clássico do Spencer Davis Group.

As músicas são marcadas por riffs pesados, solos virtuosos, vocais rasgados e letras que falam de amor, guerra, drogas e liberdade.

O álbum foi bem recebido pela crítica e pelo público, chegando a vender mais de 100 mil cópias nos Estados Unidos.

A banda também fez shows por todo o país, abrindo para artistas como Jethro Tull, The Allman Brothers Band, Grand Funk Railroad e Alice Cooper.

Apesar do sucesso, a banda enfrentou problemas internos e externos. Eles tiveram dificuldades para receber os royalties do álbum, que foram retidos pela gravadora.

Além disso, houve desentendimentos entre os membros, que tinham visões diferentes sobre o rumo musical da banda.


Manter um Pé nos Anos 60 e Outro nos Anos 70


A Euclid soube como ninguém manter um pé nos anos 60 e outro nos anos 70.

Enquanto muitas bandas lutavam para se adaptar às mudanças de década, eles navegavam entre as eras com maestria, absorvendo influências e criando algo que transcendia os limites do tempo.


A Fama nos Palcos e as Estradas Percorridas


A reputação da Euclid como uma ótima atração ao vivo não era apenas uma fama vazia.

Com performances energéticas e cativantes, eles conquistaram fãs por onde passaram.

As estradas foram seus campos de batalha, e a banda deixou sua marca em clubes, teatros e festivais, construindo uma legião de seguidores apaixonados.


O Fim e a Tragédia que Silenciou os Acordes


Em 1972, a banda Euclid se separou, e cada um dos membros seguiu seu próprio caminho.

Ralph Mazzotta continuou na música, tocando em outras bandas e também dando aulas de guitarra. 

Gary Leavitt, por sua vez, se tornou um produtor musical, trabalhando com artistas renomados como The Ramones, Blondie e Talking Heads.

Jay Leavitt dedicou-se à fotografia, enquanto Harold Perino se afastou do meio artístico.

Infelizmente, o destino trágico cruzou o caminho da Euclid em 1975. Gary Leavitt, um dos pilares da banda, faleceu em um acidente de motocicleta.

Essa notícia ecoou como um trovão, silenciando os acordes promissores da banda e marcando o fim de uma era.

Sua morte foi um choque para os fãs e para os ex-companheiros de banda, que nunca mais se reuniram.


O Legado que Permanece Vivo


Em 1999, o álbum Heavy Equipment foi relançado em CD pela Akarma Records, uma gravadora italiana especializada em rock psicodélico.

O relançamento trouxe uma nova capa, com uma foto da banda em um palco.

Em 2004, o álbum foi incluído no livro 1001 Albums You Must Hear Before You Die, uma lista dos melhores álbuns de todos os tempos, selecionados por críticos e jornalistas musicais.

Em 2010, o álbum foi reeditado em vinil pela Sundazed Music, uma gravadora norte-americana que se dedica à preservação de clássicos do rock.

A reedição trouxe a capa original, com a escavadeira, e um encarte com fotos e informações sobre a banda.

Em 2017, a banda foi homenageada pelo documentário Euclid: Heavy Equipment, dirigido por Eric Green.

O documentário conta a história da banda, desde sua formação até seu fim, e traz depoimentos de Ralph Mazzotta, Jay Leavitt, Harold Perino, Bob Thiele e outros envolvidos. 

Embora o fim da Euclid tenha sido marcado pela tragédia, o legado da banda permanece vivo.

Seu álbum continua a ser redescoberto por novas gerações, influenciando músicos e bandas contemporâneas.

A história da Euclid é uma lembrança de que, mesmo nas sombras da tragédia, a música tem o poder de transcender e perdurar.


Euclid: O Psicodelismo Esquecido dos Rincões do Maine Album-heavy-equipment-back


Resenha das Músicas Mais Famosas


Gimme Some Lovin'

A versão da Euclid para "Gimme Some Lovin'", originalmente do Spencer Davis Group, é uma reinterpretação poderosa e psicodélica de um clássico do rock.

A banda transforma a canção com riffs pesados de guitarra e um ritmo contagiante, que elevam a energia da música a novos patamares.

Os vocais rasgados de Gary Leavitt conferem uma intensidade emocional que reflete a influência do hard rock.

Essa faixa demonstra a habilidade da Euclid em pegar uma canção conhecida e fazer dela algo próprio, mantendo a essência do original, mas adicionando um toque único que a diferencia.


Shadows of Life

"Shadows of Life" é uma obra-prima épica que encerra o álbum Heavy Equipment.

Com mais de 10 minutos de duração, essa faixa é uma jornada musical que mistura elementos de rock progressivo, jazz e música clássica.

A composição complexa e os arranjos intrincados criam uma atmosfera hipnótica, levando o ouvinte por um caminho de descobertas sonoras.

Os solos virtuosos de guitarra e os ritmos variados mostram a versatilidade e a criatividade da banda.

É uma canção que exige atenção e entrega total, recompensando com uma experiência auditiva profunda e envolvente.


On the Way

"On the Way" abre o álbum Heavy Equipment com uma explosão de energia e vitalidade.

A canção tem riffs pegajosos e um ritmo acelerado que capturam imediatamente a atenção do ouvinte. 

Os vocais rasgados de Gary Leavitt e os solos dinâmicos de guitarra criam uma sensação de urgência e entusiasmo.

Esta faixa encapsula a essência do rock psicodélico da Euclid, apresentando uma combinação perfeita de melodia e intensidade.

É uma introdução poderosa ao álbum, que define o tom para a experiência musical que se segue.


97 Days

"97 Days" é uma balada melancólica e introspectiva que contrasta com as faixas mais enérgicas do álbum.

A canção fala sobre o tempo e a solidão, com uma melodia suave e tocante. Os arranjos simples, mas eficazes, permitem que a emotividade dos vocais de Gary Leavitt brilhe.

A letra reflexiva e a melodia triste criam um ambiente de contemplação, oferecendo um momento de pausa e introspecção dentro do álbum.

"97 Days" destaca a capacidade da Euclid de explorar diferentes emoções e estilos musicais, mostrando sua profundidade artística e sensibilidade.


Honrando a Memória da Euclid


Hoje, mergulhamos na incrível jornada da Euclid, uma banda que trouxe inovação e paixão aos palcos do Maine.

Sua fusão única de estilos e a capacidade de atravessar décadas são testamentos de sua genialidade musical.

A Euclid pode ter silenciado, mas seu impacto continua ressoando no coração da história do rock. Até a próxima viagem ao passado, rockeiros!